O que a Lei de Acessibilidade promete e o que acontece na prática?


A Lei de Acessibilidade foi criada na busca por trazer critérios básicos que sejam parâmetros para trazer à acessibilidade as pessoas portadoras de deficiência, ou que possuam mobilidade reduzida, independentemente de qual dificuldade ela possua (seja visual, auditiva, de locomoção, entre outras).

Esses critérios básicos para que a acessibilidade aconteça ocorrem pela eliminação de barreiras e obstáculos nas vias públicas, no mobiliário urbano, e até mesmo na forma de edificar uma construção.

Você pode até pensar, a lei protege e resguarda direitos e estabelece parâmetros, mas na prática a situação é bem diferente. Exatamente. Isso porque, mesmo com a evolução da sociedade, temos ainda muitos lugares que acabam sendo inacessíveis para quem possui mobilidade reduzida.

No momento de se realizar uma construção, engenheiros, arquitetos, e outros profissionais que não estão atentos, podem acabar por fazer projetos que atendam bem somente quem não possui nenhuma dificuldade de se locomover.

Quantas vezes vimos a falta de rampas de acesso não somente em vias públicas, mas principalmente em estabelecimentos? Quantas vezes um cadeirante deixou de utilizar o banheiro, pois a porta não era larga o suficiente para que ele passasse? A falta de planejamento urbanístico e arquitetônico compromete totalmente a qualidade de vida dessas pessoas.

Com apenas esses dois exemplos, podemos observar que embora a Lei de Acessibilidade tenha sido criada para resguardar esse grupo de pessoas, não temos ainda medidas efetivas que tornem realidade a acessibilidade.